05 de Abril de 2021

Curitiba Icônica: Conheça mais sobre o Centro Histórico de Curitiba e seus imóveis históricos

Curitiba está com mais de 300 anos e seu marco histórico central ainda é uma das referências culturais da cidade. Estamos falando, claro, do Centro Histórico de Curitiba.

 

Gosta de história ou é um apaixonado por Curitiba e quer saber um pouquinho mais sobre a região e seus prédios históricos? Acompanhe este conteúdo até o fim e entenda por quê a Cibraco é apaixonada pela história da cidade.

 

Neste conteúdo você vai encontrar informações sobre o centro histórico de Curitiba e sua formação, alguns dos principais prédios históricos e suas origens e ocupações atuais e, claro, a importância da preservação de imóveis históricos da cidade.

 

A origem do Centro Histórico de Curitiba

 

Do marco zero da cidade de Curitiba, a praça Tiradentes, ao longo das suas 15 quadras de área certificada, o Centro Histórico de Curitiba é, de fato, o início da nossa cidade.

 

No ano de 1693 surgia ali na região a então Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, que mais tarde viria a ser Curitiba. Com ela iniciou uma grande movimentação comercial, que ajudou a expandir a cidade. Por sua vez, as lideranças locais modernizaram as demais regiões conforme o crescimento da cidade, mas mantendo o peso histórico da região histórica central.

 

A região, desde seu início, se construiu e se consolidou como o principal centro comercial da então Vila e, posteriormente, de Curitiba. Com diversos comércios, centros religiosos e instituições públicas. Um detalhe interessante se localiza no Largo da Ordem. Uma das edificações mais conhecidas atualmente é seu bebedouro em frente à Igreja da Ordem, que servia como ponto de encontro de cavaleiros comerciantes, que deixavam seus cavalos no local para hidratação.

 

Engana-se quem pensa que o Centro Histórico de Curitiba se constitui apenas pelo Largo da Ordem. Ao longo de suas 15 quadras, diversas ruas e construções fazem parte da região, como as Ruínas do São Francisco.

 

Os prédios históricos mais conhecidos de Curitiba

 

O Largo da Ordem é, certamente, a região mais conhecida dentro do Centro Histórico de Curitiba. Lá é possível encontrar diversas construções de época, além das demais construções da região.

 

Igreja da Ordem

A igreja, nomeada oficialmente como Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas, é a primeira construção religiosa da cidade, datada de 1737. Ela abrigou um convento franciscano até 1783 e também já serviu como paróquia dos imigrantes poloneses. Também recebeu visita do então Imperador Dom Pedro II e, hoje, além das atividades religiosas ela serve como abrigo para o Museu de Arte Sacra, criado em 1981, com um acervo de mais de 800 peças, entre elas uma imagem de Bom Jesus dos Pinhais datada do século 17.

 

Praça João Cândido

A praça é endereço de 3 construções históricas, sendo o Belvedere, edifício de 1915 construído na gestão do então prefeito Cândido de Abreu em estilo art-nouveau. O Belvedere já serviu como mirante, rádio, observatório astronômico e, atualmente, está sob restauração.

A praça também conta com as Ruínas de São Francisco, remanescentes de uma igreja inacabada do século 19 e que hoje conta com um anfiteatro ao ar livre, galeria de arte e uma mística: dizem que abaixo das ruínas seguem uma série de túneis que conectam diversos outros pontos do Centro Histórico de Curitiba. Já ouviu falar sobre essa história?

 

Palácio São Francisco

O palácio, construído em 1929 no Alto São Francisco, foi nomeado inicialmente como Palacete Garmatter e propriedade do empresário Júlio Garmatter até 1938, quando foi adquirido pelo governo do Estado e servindo de sede do governo até 1953. Atualmente o palácio é sede do Museu Paranaense.

 

Palacete Wolf

De frente à fonte da Praça Garibaldi e construído pela família Wolf em 1875, o casarão já foi até quartel-general do Exército Brasileiro que, na época, manteve no local como prisioneiro o Barão do Serro Azul, maior produtor de erva-mate do mundo e executado em Morretes em 1894 por tropa do Governo durante a Revolução Federalista. Atualmente, após diversas outras funções, o Palacete Wolf abriga o Teatro do Piá.

 

Solar do Barão

E por falar em Barão do Serro Azul, não poderíamos deixar de fora do seu casarão na Presidente Carlos Cavalcanti. Suas obras foram iniciadas em 1880 e concluídas 3 anos depois. Após sua execução, o palácio foi ocupado pelo exército. A ocupação perdurou até 1975, quando foi adquirido pela Prefeitura de Curitiba. Hoje o local serve como sede para o Museu da Fotografia, o Museu da Gravura e a Gibiteca, ambos responsabilidade da Fundação Cultural da cidade.

 

Paço da Liberdade

Construído em 1916 o prédio histórico da praça General Marques já foi até prefeitura municipal. Sua arquitetura em art-nouveau e sua importância histórica fazem dele a única edificação tombada como patrimônio histórico e artístico nacional em Curitiba. Atualmente o Paço da Liberdade serve como um espaço multicultural, com biblioteca, estúdio de gravação, Espaço das Artes (com exposições e peças) e café.

 

A importância da preservação histórica dos prédios antigos

 

É claro que, pela idade e ocupação da cidade, diversas outras regiões contam com edifícios históricos, à exemplo do Alto da XV e seus edifícios residenciais históricos, como o Edifício Marumby e o Edifício Moreira Garcez (que já foi o 3º prédio mais alto do Brasil).

 

Seja onde estiver localizado, o imóvel histórico carrega muito peso dentro do passado de Curitiba, enraizado e ligado diretamente com diversos eventos históricos.

 

Além disso é importante perceber as mudanças culturais e arquitetônicas na construção de edificações ao longo dos anos, por isso a preservação histórica se faz cada vez mais relevante, valorizando o peso histórico e as mudanças nas práticas de construção civil no passado curitibano.

 

É muito comum percebermos a tendência de demolir e criar algo novo, do zero. Não podemos esquecer que valorizar a arquitetura atual é igualmente importante, mas não defendê-la ao sobrepujar a arquitetura de época e desperdiçar todo um potencial construtivo de um prédio histórico em Curitiba.

 

Como realizar uma reforma em imóvel histórico

 

Pensando nisso, está cada vez mais comum a prática de renovar ou restaurar um prédio histórico, para manter a sua arquitetura e estrutura de época sem abrir mão de qualidade, segurança e necessidades atuais.

 

Com isso em mente, planejar uma restauração em prédios históricos exige muito cuidado e atenção para não comprometer a estrutura original. Sendo assim é essencial que toda reforma em prédios de época sejam feitos com acompanhamento profissional, para mapear a estrutura original, pontos de apoio, fiação e encanamento, dentre outros.

 

Qualquer problema nestes pontos podem comprometer a estrutura ou a viabilidade da edificação, como causar desmoronamento, comprometimento da arquitetura, chão ou teto.

 

A Cibraco Renova e como funciona

Pensando nisso a Cibraco lançou, em parceria com o estúdio de arquitetura Nommo, o Cibraco Renova.

 

O projeto visa restaurar e deixar habitável com condições necessárias para os dias atuais diversas edificações e prédios históricos da cidade, resgatando a história da cidade, mantendo a arquitetura original da época e, ainda assim tornando o prédio perfeito e pronto para qualquer tipo de uso, seja comercial ou residencial.

 

O Cibraco Renova faz parte do DNA da Cibraco, que também está operando suas atuações em um prédio histórico da cidade, localizado na Ébano Pereira, em um edifício restaurado e com sua arquitetura original intacta.

 

Se você conhece ou possui um prédio histórico que está pedindo por uma revitalização para estar hábil à novos propósitos, entre em contato com a Cibraco e saiba mais sobre o Cibraco Renova

Assine nossa newsletter