17 de Dezembro de 2021

Veja por que investir em imóveis para alugar é um bom negócio

Quem nunca sonhou em viver de renda? Depois de anos de trabalho e muito suor, muitas pessoas imaginam a possibilidade de manter a entrada de uma renda mensal de forma que possa proporcionar conforto financeiro e qualidade de vida. A boa notícia é que, sim, isso é possível. Investir em imóveis para alugar é um bom negócio para quem pretende ter uma fonte de renda passiva como forma de faturamento - sejam eles imóveis residenciais ou comerciais.

Para conseguir ter sucesso na locação de imóveis como forma de como criar renda passiva, é necessário planejamento financeiro e alguns passos cruciais para que esse plano entre em ação.

Quer saber mais sobre como fazer isso e garantir um futuro mais tranquilo? Confira o artigo!

 

O que fazer para ter uma renda extra?

 

O investimento no mercado imobiliário é um dos mais seguros que existem. Além de ser rentável, ainda é um dos setores da economia que mais crescem no país e que mantém ativo sempre o potencial de valorização.

Por não depender de nenhuma sazonalidade, você pode garantir renda passiva com aluguel de imóveis durante o ano todo. Ter uma renda extra vai te ajudar nos gastos emergenciais e te dá uma segurança maior para as despesas do dia a dia. Por isso, ter imóveis como segunda fonte de renda é uma das melhores opções.

 

 Vale a pena comprar um imóvel para alugar?

 

Se você possui uma reserva financeira e está à procura de um investimento seguro e que seja valorizado ao longo do tempo, comprar um imóvel para alugar faz todo o sentido. Até o primeiro semestre de 2021, o aluguel residencial apresentou alta acumulada de 0,77%.

 

 A rentabilidade da locação de imóveis

 

Mesmo com as taxas de juros apresentando variações, os imóveis continuarão sendo uma ótima opção para gerar renda no curto prazo. A crise recente gerada pela pandemia impactou todos os tipos de negócios, mas o setor de construção civil foi um dos que mais cresceu recentemente, devido ao interesse pela compra de imóveis.

 

Os novos proprietários, agora, pretendem investir em geração de renda com locação para os próximos anos. Por isso, além de fazer com que o imóvel não fique parado, o mercado imobiliário vai precisar atender à nova demanda de moradores que preferem a liberdade da locação - já que ainda vivemos em tempos de incertezas.

E não só isso. As pessoas também têm buscado outros tipos de residências para morar. Quem está acostumado a um apartamento, por exemplo, aluga uma casa antes de pensar em comprar a sua para ver se a experiência vai compensar.

Ou seja, existe e ainda vai existir uma grande procura por novos lares no Brasil. Estima-se que, até 2030, o crescimento da população brasileira e a geração de novas famílias deve gerar uma demanda para mais 30,7 milhões de novos domicílios. 

Então, se você se pergunta onde investir para ter uma renda mensal passiva, “sem precisar fazer nada”, comprar imóveis para colocá-los para locação é uma boa ideia e com público-alvo interessado constantemente.

O que é renda passiva?

 

Basicamente, a renda passiva é aquela obtida sem que você precise desempenhar qualquer trabalho sobre ela. A renda passiva é uma forma de obter renda de forma periódica, mas não ligada ao seu emprego.

Diferente do que muitos pensam, renda extra e renda passiva não são a mesma coisa. A renda extra é aquela que existe além do seu orçamento e você a consegue através de alguma atividade complementar. Além disso, a renda extra não é constante. É algo que surge de forma pontual, portanto, você não “pode” depender de uma renda extra.

Por não precisar dedicar nenhum tempo ou esforço a essa atividade, receber aluguel por um imóvel seu é considerado uma forma de como ter renda passiva.

Como calcular valor de locação de imóvel?

 

A regra mais comum para encontrar o valor do aluguel de um imóvel é calcular de 0,5% a 1% sobre o valor de mercado do imóvel. Por exemplo, se o seu imóvel vale, no momento, R$ 200 mil, o aluguel que o seu inquilino vai pagar será entre R$ 1.000 e R$ 2.000 por mês.

Mas essa não é a única forma de calcular o valor da locação de uma casa ou apartamento. Algumas características do imóvel também podem influenciar no valor do aluguel, como:

 

  • a região onde ele se encontra;

  • o tamanho da sua área;

  • estrutura de lazer.

A Lei do Inquilinato na locação imobiliária

 

A Lei do Inquilinato foi criada para estabelecer um contrato seguro entre proprietário e inquilino, com o intuito de evitar incômodos e ações. Afinal, um dos principais problemas entre as partes era a falta de entendimento a respeito das responsabilidades de cada uma durante a vigência do contrato.

As normas valem para imóveis residenciais, comerciais e industriais. É de fundamental importância que você, na busca por uma locação, entenda o que é a Lei do Inquilinato para evitar fraudes, aumentos abusivos no valor do aluguel e pagamento por danos ocorridos antes do contrato, entre outros contratempos.

Algumas contravenções estão na Lei do Inquilinato e merecem um olhar atento por parte do inquilino e do proprietário. Afinal, as sanções podem resultar em prisões de cinco a seis meses ou multa de até doze meses do valor do aluguel, em caso de penalidade por parte do locatário.

  • pagar pontualmente o aluguel e os encargos da locação;

  • utilizar do imóvel com o mesmo zelo que você cuidaria se fosse seu;

  • encerrado o contrato de locação, devolver o imóvel  no estado em que o recebeu, salvo as deteriorações decorrentes do seu uso normal;

  • levar imediatamente ao conhecimento do proprietário  o surgimento de qualquer dano ou defeito cuja reparação dependa de terceiros;

  • realizar a imediata reparação dos danos verificados no imóvel, ou nas suas instalações, provocadas por si, seus dependentes, familiares, visitantes ou prepostos;

  • não modificar a forma interna ou externa do imóvel sem o consentimento prévio e por escrito do locador;

  • entregar imediatamente ao proprietário os documentos de cobrança de tributos e encargos condominiais, bem como qualquer intimação, multa ou exigência de autoridade pública;

  • pagar as despesas de telefone e de consumo de força, luz e gás, água e esgoto;

  • permitir a vistoria do imóvel, mediante combinação prévia de dia e hora;

  • cumprir integralmente a convenção de condomínio e os regulamentos internos;

  • pagar as despesas ordinárias de condomínio.

Entender o que pode ser aplicado durante o seu contrato de aluguel garante que você não precise se incomodar com eventuais problemas após a formalização. 

Como escolher imóveis para investimento em Curitiba?

 

Procure por bairros que têm potencial de valorização para gerar renda com locação em Curitiba. Você pode optar por loteamentos, imóveis parados há muito tempo ou construções com valores abaixo do preço de mercado, por exemplo.

Outra dica é investir em imóveis na planta. Como as construtoras nessa etapa estão angariando recursos para a finalização das obras, essas unidades custam menos do que o valor de mercado.

Imóveis na planta também permitem personalização de ambientes e garantem acabamento moderno e com materiais de primeira qualidade. Em resumo, você gastará muito menos em um imóvel que valerá muito mais quando acontecer a entrega das chaves. 

Os melhores bairros de Curitiba para comprar imóveis

 

Na hora de comprar seu imóvel, é importante conhecer os melhores bairros de Curitiba para seu investimento. Uma dica é optar por áreas nobres e mais centrais, uma vez que elas são mais valorizadas e tendem a atrair um público com maior poder aquisitivo, principalmente se você pensa em investir em uma sala comercial

 

  • Batel.

  • Bigorrilho.

  • Champagnat.

  • Água Verde.

  • Alto da XV.

  • Centro Cívico.

  • Mercês.

  • Cabral.

  • Cristo Rei.

Você também pode escolher bairros mais residenciais e com bastante área verde. Eles também são compostos por imóveis de padrão superior e têm grande potencial de valorização. São eles.

 

  • Jardim Social;

  • Santa Quitéria;

  • Vila Izabel.

  • Juvevê.

  • Ahú.

  • Jardim das Américas.   

 Há, ainda, as regiões mais afastadas e que estão em desenvolvimento. Desta forma, você pode adquirir um imóvel mais em conta e que vai valer muito mais no futuro. Confira algumas opções.

 

  • Fazendinha.

  • Bairro Alto.

  • Alto Boqueirão.

  • Pinheirinho.

  • Xaxim.

  • Campo do Santana.

  • Lindoia.

Para escolher o bairro, o ideal é verificar quanto você pode investir, quais suas metas para o futuro e quais as particularidades de cada bairro de Curitiba.

 

Como escolher uma imobiliária para investir em imóveis

 

Agora que você já viu que investir em imóveis para alugar vale a pena, não espere mais! Dê o primeiro passo para fazer os seus imóveis “trabalharem” por você. Aposte no setor imobiliário para conseguir uma boa renda passiva.

E, por mais dedicado que você seja e por mais que tenha se inteirado a respeito do mercado imobiliário, conte com a ajuda de uma imobiliária.

Veja se a organização tem boa reputação no mercado e se os profissionais estão devidamente registrados junto ao Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI). Esse é o órgão que fiscaliza e normatiza as atividades profissionais relacionadas ao mercado imobiliário.

Também é importante que você encontre uma imobiliária especializada em investimentos e que conheça os rumos e oportunidades da cidade. Uma empresa responsável oferece conhecimento de mercado e consultoria jurídica. Os corretores também auxiliam na transação e garantem que as partes façam uma negociação satisfatória e sem amarras de documentação ou de superfaturamento. 

O ideal é contratar uma imobiliária para que ela gerencie suas negociações quando você tiver imóveis ativos no mercado. Assim, você pode viver de renda sem preocupações e sem prejuízos.

Para gerar renda com locação sem preocupações, conte com uma imobiliária com experiência em Curitiba, com equipe qualificada e uma plataforma que divulgará com qualidade seus imóveis. Conte com a Cibraco! Clique aqui e veja como podemos ajudar você!

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assine nossa newsletter